Comunicações

Aqui ficam os títulos das comunicação que serão feitas nas mesas redondas, na sexta e no sábado, entre as 21h30 e as 23h00, no Posto de Turismo de Esposende.

Caneta fotográfica, parte 1
Rui Pereira (Câmara Municipal de Esposende)
Tiago Cruz – Caneta Fotográfica
Manuel João Ramos – Para mais tarde recordar? Desenhar na era digital
António Jorge Gonçalves – Desenhos com Punctum
Rosário Felix – O meu caderno de cores
Marco Costa – Desmitificação do caderno como aparelho. Contributo para uma ontologia

Caneta fotográfica, parte 2
Eduardo Salavisa – O fotógrafo não estava lá
Manuel San Payo – Elogio do atrito
Vitor Mingacho/Alexandra Belo – Instasketching: o caderno como pré-instagram
Pedro Loureiro – Caneta Cinematográfica

Pedro Loureiro

Pedro Loureiro

Pedro Loureiro

Pedro Loureiro

Pedro Loureiro

Nasce em Lagos em 1980 e vive em Lisboa desde 1998, com passagem por Lund, Suécia entre 2012-14.
Arquitecto pelo ISCTE (2006) onde aprende a levar o caderno de folhas brancas para todo o lado. Pós-graduação em Design Estratégico e Inovação pelo ISEG e FA-UTL (2010).
Ilustrador num gabinete de arquitectura de Lisboa. Como formador certificado, ensina em workshops de iniciação ao desenho.
Autor do blog de desenho Storysketching (www.pedromacloureiro.com), co-autor do blog de reportagens gráficas Carbono e Outros (carbonoeoutros.wordpress.com) e membro da direcção dos Urban Sketchers Portugal (urbansketchers-portugal.blogspot.pt) para onde contribui desde 2010.
Para além de desenhar, gosta de viajar, observar e cortar vegetais em pedacinhos.

Rosário Felix

Rosário Félix, nasceu em 1950 e vive em Lisboa. Licenciou-se em Artes Plásticas (Pintura) pela Faculdade de Belas-Artes de Lisboa e foi Professora de Artes no Ensino Secundário. Desde 2008 participa em encontros e exposições sobre o “Diário Gráfico”. Desde Outubro de 2013, frequenta a Oficina de Gravura do Mestre José Faria.
Coordena o blogue dequemeservemosolhos.blogspot.com e colabora no blogue urbansketchers-portugal.blogspot.com

António Jorge Gonçalves

António Jorge Gonçalves

António Jorge Gonçalves nasceu e vive em Lisboa. O seu trabalho divide-se entre a banda desenhada, a ilustração literária, o cartoon político, e as artes cénicas.
Através do desenho digital ao vivo e da manipulação de objectos em retroprojector de transparências, tem criado espectáculos com músicos, actores e bailarinos.
É autor de diversas novelas gráficas, e tem colaborado com diversos escritores na criação de livros onde texto e imagem se relacionam de forma exploratória. Faz semanalmente cartoon político para o Inimigo Público (jornal Público).

Marco Costa

Marco Costa

Marco Costa

Marco Costa

Marco Costa

“The every day experience on drawing for an healthy life”.
Desenvolve o seu trabalho no campo das artes visuais entre a investigação, docência, produção e crítica. Expôs em mais de 100 eventos coletivos ligados às artes plásticas, ao design e ao multimédia desde 2000, entre os que se destacam 3 exposições individuais de pintura e desenho. Durante o evento ‘Nós e os Cadernos’ abordou a dicotomia ‘Diluição ou simultaneidade privado/público – O diário gráfico como espaço heterotópico’.

Pedro Cabral

Pedro Cabral

Pedro Cabral

Pedro Cabral

Pedro Cabral

Pedro MB Cabral, licenciado em Arquitetura pela Escola Superior de Belas Artes de Lisboa, ESBAL.
Vive e trabalha em Lisboa. Desenha, faz vela e viagens a pé. Do seu blog BONECOS DE BOLSO traz a inspiração para o ‘Nós e os Cadernos’.

Eduardo Côrte-Real

Eduardo Côrte-Real

iade mestrado

kobkol

London

Eduardo Côrte-Real é licenciado em Arquitetura e, em 2001, publicou o livro ‘O Triunfo da Virtude, As Origens do Desenho Arquitetónico’, no que desenvolve a ideia de que o conceito de Virtude migrou do domínio Ético para o estético através do Desenho.
Galardoado com o prémio João Branco de investigação em Design da Universidade de Aveiro, com um projeto financiado pela FCT sobre Design e Cultura Visual na segunda metade do séc. XX em Portugal, é atualmente editor-chefe do jornal online “The (radical) Designist”, ThRaD. Mais recentemente, publicou os livros ‘The Smooth Guide to Travel Drawing’ e ‘The Triumph of Design’. É advisor do Journal “Drawing: Research, Theory, Practice” da Intellect Books. Para o evento ‘Nós e os Cadernos’ leva a reflaxão: ‘Neutralidade e Desenho Documental, Entre o Flaneur e o Documentarista’.

Manuel João Ramos

Manuel João Ramos

Manuel João Ramos

Manuel João Ramos

Manuel João Ramos

Manuel João Ramos é Professor associado no Departamento de Antropologia do ISCTE-IUL, investigador sénior do Centro de Estudos Internacionais do ISCTE-IUL e professor visitante do Indian Institute of Technology – Gandhinagar. Realiza investigação no domínio da antropologia do simbólico e da arte, e da epistemologia das ciências sociais.
Do inúmero trabalho de investigação realizado, destaque para a publicação de artigos na área da antropologia gráfica (‘Stop the Academic World, I wanna get off in the Quai de Branly’, Revista de Arte & Antropologia, 4, 2, 2015; ‘Drawing Close – on visual engagements in fieldwork, drawing workshops and the anthropological imagination’, Journal of Visual Ethnography, 2016, no prelo). Tem, igualmente, ilustrado livros de escritores portugueses (Luís Pacheco, ‘Prazo de Validade’, Lisboa, 1998; Rui Zink, ‘O Bebé que…, Lisboa’, 2002, 2003, 2004, e ‘Os Surfistas’, Lisboa, 2001; José Artur Fernandes, ‘Gonçalo entre os Guaranis’, Lisboa, 2002; Alain Jézéquel, ‘Estarei mesmo doente?’, Lisboa, 2001). Para o evento ‘Nós e os Cadernos’ leva uma abordagem d’O desenho na investigação antropológica’.